segunda-feira, 5 de março de 2012

A ARTE DE SENTIR




Sinto muito quando amo, a ponto, de por vezes,
Perder-me de mim mesma quando vou a ti.
Talvez seja essa alma imperfeita, afeita a amar
Perdidamente que me faz refém da arte de sentir.
É que o espírito sonha demais e fantasia
Reflete-se no espelho das águas da poesia,
Em que o devaneio a vida alivia, e o sonho
É o jardim em que se pode noite, ou dia,
Deixar que a alma vague
Até que a última estrela se apague.
Tudo em mim esparrama-se nesta luz cega
Que o peito ainda desconhece o que prega
E ainda que eu te pedisse perdão por amar demais
Indago se tu compreenderias, quando digo
Que o esquecimento é a saída
Quando o teu amor arrombou meus portais
No instante exato em que entrastes
Em minha vida.
Peco porque te amo
Peco porque te oblitero
Pecaria mais ainda se não te quisesse
Tão amorosamente como te quero!

4 comentários:

  1. ..que seria Dele sem nossos pecados...! ABrs Bom Dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo carinho Soaroir! Venha sempre!

      Excluir
  2. Linda a sua poesia...denota uma grande sensibilidade! Bem Haja! As fotos estão lindissimas também...Parabens!

    ResponderExcluir
  3. Muitíssimo obrigada Sila fico muito feliz que tenha gostado!

    ResponderExcluir