quarta-feira, 7 de março de 2012

CIDADE DOS ANJOS




Quando a vida amanhece escura e o dia dura demais
Transporto-me para algum canto do céu onde
Transformo-me neste ser de luz, neste espaço de paz.
E assim quando o celestial mundo irradia-se em mim
Na alvura das nuvens, entre iluminadas estrelas opera-se
A cura de toda tortura voraz, da loucura que se compraz
Em ser aquilo que se tem e não o que a alma traz.
E assim despida de todos os adereços e vestida
Dama cristalina, alma de menina
Deixo florescer a vontade incansável e insaciável de amar.

Perto do céu
Envolta no ar
Fazendo meus próprios arranjos
Naquela cidade dos anjos...




Um comentário:

  1. Míriam, passei para visitar seu blog e gostei. Lindos poemas! Abraços!

    ResponderExcluir